Chuvas desalojam populares

Moradores dos bairros Pescadores, Cerâmica, Bate-chapa, Paraíso, Vidrul e Funda em Cacuaco sofreram consequências das últimas chuvas que cair e acompanhadas de ventos fortes. As ruas destes bairros encontram-se com grandes quantidades de água parada e lamaçal. No interior dos bairros, o cenário é desagradável, com casas inundadas. Por exemplo no bairro dos Pescadores algumas pessoas tiveram que deixar as residências.

Técnicos das Direcções Nacionais de Biodiversidade, Inspecção Nacional e de Estudo de Impacto Ambiental do Ministério do Ambiente trabalharam há dias em Cacuaco para constatar as condições das zonas húmidas do município.
O grupo de técnicos reparou que os entulhos colocados nas antigas salinas do município de Cacuaco e noutras zonas húmidas estão a “degradar” o habitat transitório das aves migratórias internacionais, colocando em risco a sua existência.

Os especialistas manifestaram “desagrado” com o actual estado de conservação das zonas húmidas de Cacuaco, sobretudo as antigas salinas do município.
Neste local, foram encontradas oito espécies de aves migratórias vindas da Europa e do norte de África e verificou-se que empresas de construção civil entulham o espaço com areia e pedras.

“Por aquilo que vimos,  podemos dizer que é lastimoso o estado de conservação do habitat provisório das aves migratórias”, disse o chefe de departamento da Biodiversidade e áreas de Conservação, António Nascimento, que não concorda com a construção de moradias na zona húmida. A zona húmida retém as águas das chuvas que vêm a partir de Viana e das suas áreas adjacentes como Mulenvos. António Nascimento destacou a importância e grandeza da qualidade da “bacia hidrográfica”.

Se for restringida a bacia hidrográfica em Cacuaco, por ser o receptor, podem ocorrer vários danos, como a destruição paulatina da ponte que dá acesso à vila, além de poder, do ponto de vista ambiental, destruir definitivamente o habitat das aves migratórias.
“As aves que frequentam este espaço e outras zonas húmidas vêm da Europa e de África. Se estas aves são protegidas a nível  internacional, Angola também deve fazer a sua parte para a protecção destes ecossistemas importantes”, declarou.

A equipa de técnicos manteve um encontro com a administradora do município de Cacuaco, de quem receberam informações sobre as zonas húmidas do município, incluindo a que se encontra junto à foz do rio Zenze.

voltar ao início do blog

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

back to top